-->

10 agosto, 2018

LATICÍNIOS INTEGRAIS SEM MEDO ...

Nova pesquisa pode acabar com o seu sentimento de culpa por consumir produtos lácteos integrais. Pelo menos em quantidades razoáveis.

É improvável que a ingestão de iogurte, queijo e manteiga leve as pessoas ao túmulo precocemente, de acordo com uma nova pesquisa do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas em Houston. O estudo, publicado no American Journal of Clinical Nutrition, não encontrou nenhuma ligação significativa entre as gorduras lácteas e causa da morte ou, mais especificamente, doenças cardíacas e derrames – dois dos maiores assassinos do país, muitas vezes mal atribuídos a uma dieta rica em gordura saturada. De fato, certos tipos de gordura láctea podem ajudar a prevenir ataques graves, relataram os pesquisadores.

“Nossas descobertas não apenas apoiam, mas também reforçam significativamente, o crescente corpo de evidências que sugerem que a gordura láctea, ao contrário da crença popular, não aumenta o risco de doenças cardíacas ou mortalidade geral em adultos mais velhos. Além de não contribuir para a morte” “Os resultados sugerem que um ácido graxo presente em laticínios pode reduzir o risco de morte por doença cardiovascular, particularmente de derrame”, disse Marcia Otto, Ph.D., primeira autora e professoa assistente do estudo no Departamento de Epidemiologia Genética Humana do estudo e Ciências Ambientais na UTHealth School of Public Health.

Dariush Mozaffarian, M.D., da Escola Friedman de Ciência e Política de Nutrição da Universidade Tufts, foi o autor sênior do estudo, financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde.

O estudo avaliou como vários ácidos graxos presentes na gordura láctea estavam relacionados a doenças cardíacas e mortalidade por todas as causas ao longo de um período de 22 anos. Essa metodologia de medição, em oposição ao consumo auto-relatado mais comumente usado, deu uma visão mais objetiva sobre o impacto da exposição a longo prazo a esses ácidos graxos, de acordo com o relatório.

Quase 3.000 adultos com 65 anos ou mais foram incluídos no estudo, que mediu os níveis plasmáticos de três diferentes ácidos graxos encontrados em produtos lácteos no início de 1992 e novamente em seis e 13 anos depois.

Nenhum dos tipos de ácidos graxos foi significativamente associado à mortalidade total. De fato, um tipo estava ligado a menores mortes por doenças cardiovasculares. Pessoas com níveis mais altos de ácidos graxos, sugerindo maior consumo de produtos lácteos integrais, tiveram um risco 42% menor de morrer de derrame.

As Diretrizes Dietéticas para os americanos ainda estão presas no paradigma antigo no qual o consumo de laticínios sem gordura ou com baixo teor de gordura, incluindo leite, iogurte e/ ou bebidas de soja fortificadas. Mas Otto ressaltou que os alimentos lácteos com baixo teor de gordura, como iogurte desnatado e leite com chocolate, geralmente contêm altas quantidades de açúcares adicionados, o que pode levar a uma saúde cardiovascular e metabólica deficiente.

“Consistente com as descobertas anteriores, nossos resultados destacam a necessidade de rever as orientações dietéticas atuais sobre laticínios integrais, que são ricas fontes de nutrientes como gorduras boas, cálcio e potássio. Elas são essenciais para a saúde não apenas durante a infância, mas também ao longo da vida e anos mais tarde, quando a desnutrição e condições como a osteoporose são mais comuns “, disse Otto.

A pesquisa baseada em evidências é fundamental para educar as pessoas sobre nutrição, disse Otto.

“Os consumidores foram expostos a tantas informações diferentes e conflitantes sobre dieta, particularmente em relação às gorduras”, disse ela. “Por isso, é importante ter estudos robustos, para que as pessoas possam fazer escolhas mais equilibradas e informadas, baseadas em fatos científicos, em vez de boatos”, acrescentou.

Texto: Caio Fleury
Fonte: Science Daily

Nenhum comentário:

Postar um comentário