29 novembro, 2011

DESENVOLVIMENTO DE FORÇA X VELOCIDADE DE CONTRAÇÃO ...


No âmbito esportivo, existem muitas modalidades ou, mais especificamente, componentes técnicos que não utilizam em seus movimentos todo o potencial de força (i.é., pico de força) existente na musculatura recrutada (p.ex., chute no caratê, saída do bloco nos 50m na natação, soco no boxe, entre outros). Isso ocorre em função de essas atividades serem compostas de movimentos muito rápidos (até 200ms), ou seja, movimentos explosivos, não existindo o tempo necessário para se obter o pico de força existente na musculatura recrutada, que é atingido por volta de 200-300ms(1).A força explosiva muscular é bastante dependente da taxa de aumento da força em um dado intervalo de tempo no início da contração muscular, sendo os valores máximos dessa taxa alcançados em um período de tempo entre 100 e 300ms(2). Essa taxa é conhecida como taxa de desenvolvimento de força (TDF) e é obtida através da razão entre a variação da força e a variação do tempo. Assim, em atletas que utilizam em suas modalidades contrações musculares explosivas, a TDF tem sido considerada um importante parâmetro para mensurar o desempenho neuromuscular.

A TDF é influenciada por diferentes fatores, como as propriedades musculares (tamanho muscular, área relativa das fibras rápidas e a composição da isoforma da miosina de cadeia pesada)(3,4), distribuição das fibras musculares(4-6) e fatores neurais, como a magnitude de produção eferente do motoneurônio na fase inicial de contração(7-9), a frequência de disparos e o recrutamento dos motoneurônios(2,7,9-11). Além desses fatores, o nível de complacência das estruturas relacionadas com a transmissão da força também é importante para explicar as diferenças na TDF(12). Em movimentos como o salto vertical, a contribuição desse fator pode chegar a 30%(13).
Nesse sentido, é importante destacar que poucos estudos analisaram o comportamento da TDF em contrações musculares realizadas em diferentes velocidades(14), sendo esta mais frequentemente medida em condições isométricas(2). Apesar disso, a TDF tem sido considerada um importante parâmetro para quantificar a habilidade do sistema neuromuscular de exercer ações musculares explosivas realizadas com contrações dinâmicas(2,3,5,15,16). Como não se conhecem os efeitos do tipo e velocidade de contração muscular sobre a TDF, e particularmente a influência de cada um dos fatores neuromusculares sobre a TDF nessas diferentes condições, a utilização dessa variável na avaliação de atletas deveria ser realizada com cautela.
Dados na literatura sugerem que maiores velocidades de contração acarretam inibição do drive neural e, possivelmente, a quantidade de torque gerado nos primeiros momentos da contração pode ser diminuída sob condições dinâmicas, particularmente as realizadas em alta velocidade(1). Com base nesses dados, é possível hipotetizar que a TDF será maior na condição isométrica, quando comparada com a condição dinâmica, como, também, que a TDF em contração de baixa velocidade (60°.s-1) será maior que em velocidade mais alta (180°.s-1), uma vez que existem alterações neurais entre tipos de contração e entre velocidades de contração(1). Com isso, o objetivo deste estudo foi comparar a TDF nas contrações isométricas e isocinéticas concêntricas a 60°.s-1e 180°.s-1.



DISCUSSÃO

O principal achado deste estudo foi que, de maneira geral, os valores de TDF são dependentes do tipo e da velocidade de contração utilizados. Esses dados confirmam as hipóteses iniciais do estudo, sugerindo que altas velocidades de contração inibem o drive neural, podendo também influenciar nos valores máximos de torque obtidos.
No presente estudo, os valores de TMI foram maiores do que o TMC (60°.s-1 e 180°.s-1). Além disso, o maior TMC foi obtido na menor velocidade de contração (60°.s-1). Esses dados estão de acordo com os observados na literatura, que compararam o torque máximo em condições similares(11,17,18), reforçando que a existência de movimento articular determina valores diferentes de torque, como também que, para contrações concêntricas, a relação entre torque máximo e velocidade de contração é inversa(19).
Com relação aos valores de TDF, em geral esta variável também foi maior nas condições de ausência de movimento articular ou de menor velocidade de contração. Esses dados diferem dos obtidos por Wilson et al.(14), que analisaram o exercício de saltos em diferentes condições. Nesse estudo, os autores utilizaram um equipamento que permitia a mensuração da força utilizando-se contração isométrica e saltos com e sem contramovimento. Os autores verificaram que a força isométrica (1.989N) foi maior do que a concêntrica (1.707N). No entanto, a TDF foi maior na contração concêntrica do que na isométrica, tanto a 110° (19.266N.s-1e 14.059N.s-1, respectivamente) quanto a 150° (23.949N.s-1 e 11.662N.s-1, respectivamente). Assim, ao comparar as condições isométrica e concêntrica, os maiores valores de TDF foram produzidos na condição de menor produção de força.
Ao comparar os valores de força e de TDF com os do presente estudo, nota-se que os obtidos por Wilson et al.(14) são bem maiores. Isso em parte pode ser explicado pelas diferentes condições de realização das contrações. Enquanto que no trabalho de Wilson et al.(14) as condições permitiam aceleração do movimento, no presente estudo a contração utilizada foi realizada em velocidade constante. Da mesma forma, a condição de realização da contração isométrica foi diferente também entre os estudos, em termos de angulação e posição corporal. Assim, a comparação direta entre os estudos deve ser feita com cautela. De qualquer forma, os maiores valores de TDF encontrados na condição concêntrica no estudo de Wilson et al.(14) podem estar relacionados com a possibilidade de aceleração do movimento. Além disso, a magnitude da diferença nos valores de torque do estudo de Wilson et al.(14) (14%) é inferior à do presente trabalho (20-50%).
Entre os principais fatores que influenciam a TDF estão os musculares, como o tamanho, a área e a distribuição das fibras musculares, como também os neurais, como os estímulos eferentes do motoneurônio na fase inicial de contração, a frequência de disparos e o recrutamento dos motoneurônios. Além da importância para a TDF, esses fatores também são importantes para a produção da força máxima muscular. No entanto, os valores máximos de TDF podem ser atingidos antes que os níveis máximos de força muscular sejam produzidos. Assim, um aumento na TDF pode ser bastante importante para maior nível de força produzido no início da contração(2). Entretanto, a ausência de correlação significante entre a TDF e o TMC em nosso estudo confirma que os fatores neuromusculares que determinam essas duas variáveis podem ser diferentes.
Estudos sugerem que a quantidade máxima de torque produzida pode ser menor em maiores velocidades de contração em função da inibição do drive neural(1). Assim, como a TDF também é influenciada por mecanismos neurais relacionados com os estímulos elétricos, essa inibição pode auxiliar na explicação dos menores valores de TDF encontrados nas contrações dinâmicas e nas maiores velocidades. Interessantemente, a correlação entre a TDF isométrica e a concêntrica em baixa velocidade (60°.s-1; r = 0,88) foi maior do que obtida entre a isométrica e a concêntrica em alta velocidade (180°.s-1; r = 0,60) e também entre as duas concêntricas (r = 0,78). Esse comportamento concorda com dados obtidos anteriormente, quando se analisou a relação entre o torque máximo isométrico e o isocinético medido em diferentes velocidades. Knapik e Ramos(20) verificaram uma relação elevada entre o teste isométrico e testes realizados em baixas velocidades. No entanto, quanto maior a diferença entre as velocidades, menores foram os níveis de correlação encontrados. Os autores sugerem que, quanto maior a diferença entre as velocidades, mais diferentes serão os padrões de recrutamento neural e coordenação. Assim, esses dados, juntamente com os do presente estudo, sugerem que a velocidade de contração, além de influenciar nos valores de TDF, pode também modificar os fatores que a determinam.
Finalmente, as possíveis influências (isoladas ou associadas) do grupo muscular e do estado e/ou período de treinamento sobre a TDF medida em diferentes condições ainda não são conhecidas. Assim, os dados aqui obtidos devem ser analisados considerando-se os grupos musculares (extensores do joelho) e o estado de treinamento dos indivíduos analisados (não treinados). Apenas para exemplificar, pode-se apontar que os efeitos do treinamento de força sobre os componentes central (neural) e periférico (músculo) do sistema neuromuscular são dependentes, entre outros, da relação intensidade vs. volume, tipo de contração muscular (concêntrica, excêntrica e isométrica) e tempo de treinamento(21). Portanto, a influência do tipo e velocidade de contração muscular sobre a TDF pode depender das características do treinamento realizado no período imediatamente anterior ao da coleta de dados.

CONCLUSÃO

Podemos concluir que, em indivíduos não treinados, a TDF é dependente do tipo e da velocidade de contração utilizados. Os maiores valores de TDF são obtidos quando não há movimento articular ou quando a velocidade de contração é baixa. Esses dados suportam a hipótese de que maiores velocidades de contração acarretam maior inibição do drive neural no início do movimento, diminuindo o torque e a TDF, principalmente nos primeiros 50ms de contração. As menores correlações entre a TDF isométrica e a concêntrica em alta velocidade (180°.s-1) sugerem que os fatores neuromusculares que as determinam podem ser diferentes.
Todos os autores declararam não haver qualquer potencial conflito de interesses referente a este artigo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Komi PV. Força e potência no esporte. 2ª ed. Artmed: Porto Alegre, 2006. [
2. Aagaard P, Simonsen EB, Andersen JL, Magnusson P, Dyhre-Poulsen P. Increased rate of force development and neural drive of human skeletal muscle following resistance training. J Appl Physiol. 2002;93:1318-26.
3. Hakkinen K, Alen M, Komi PV. Changes in isometric force- and relaxation-time, electromyographic and muscle fibre characteristics of human skeletal muscle during strength training and detraining. Acta Physiol Scand. 1985;125:573-85.
4. Harridge SD, Bottinelli R, Canepari M, Pellegrino MA, Reggiani C, Esbjornsson M, et al. Whole-muscle and single-fibre contractile properties and myosin heavy chain isoforms in humans. Pflugers Arch. 432;913-20.
5. Thorstensson A, Grimby G, Karlsson J. Force-velocity relations and fiber composition in human knee extensor muscles. J Appl Physiol. 1976;40:12-6.
6. Aagaard P, Andersen JL. Correlation between contractile strength and myosin heavy chain isoform composition in human skeletal muscle. Med Sci Sports Exerc. 1998;30:1217-22.
7. Aagaard P. Training-induced changes in neural function. Exerc Sport Sci Rev. 2003;31:61-7.
8. Hakkinen K, Komi PV, Alen M. Effect of explosive type strength training on isometric force- and relaxation-time, electromyographic and muscle fibre characteristics of leg extensor muscles. Acta Physiol Scand. 1985;125:587-600.
9. Van Cutsem M, Duchateau J, Hainaut K. Changes in single motor unit behavior contributes to the increase in contraction speed after dynamic training in humans. J Physiol. 1998;513:295-305.
10. Thorstensson A, Karlsson J, Viitasalo HT, Luhtanen P, Komi PV. Effect of strength training on EMG of human skeletal muscle. Acta Physiol Scand. 1976;98:232-36.
11. Sale DG. Neural adaptation to resistance training. Med Sci Sports Exerc. 1988;20:S135-S45.
12. Jensen RL, Ebben WP. Quantifying plyometric intensity via rate of force development, knee joint, and ground reaction forces. J Strength Cond Res. 2007;21:763-7.
13. Bojsen-Møller J, Magnusson SP, Rasmussen LR, Kjaer M, Aagaard P. Muscle performance during maximal isometric and dynamic contractions is influenced by the stiffness of the tendinous structures. J Appl Physiol. 2005;99:986-94.
14. Wilson GJ, Lyttle AD, Ostrowski KJ, Murphy AJ. Assessing dynamic performance: a comparison of rate of force development tests. J Strength Cond Res. 1995;9:176-81.
15. Viitasalo JT, Komi PV. Force-time characteristics and fiber composition in human leg extensor muscles. Eur J Appl Physiol. 1978;40:7-15.
16. Baker D, Wilson G, Carlyon B. Generality versus specificity: a comparison of dynamic and isometric measures of strength and speed strength. Eur J Appl Physiol. 1994;68:350-5.
17. Westing SH, Seger JY. Eccentric and concentric torque-velocity characteristics, torque output comparisons, and gravity effect torque corrections for the quadriceps and hamstring muscles in females. Int J Sports Med. 1989;10:175-80.
18. Westing SH, Cresswell AG, Thorstensson A. Muscle activation during maximal voluntary eccentric and concentric knee extension. Eur J Appl Physiol Occup Physiol. 1991;62:104-8.
19. Dvir Z. Isocinética. Avaliações musculares, interpretações e aplicações clínicas. 1ª Ed. Manole: São Paulo, 2002.
20. Knapik J, Ramos M. Isometric and isokinetic torque relationships in the human body. Arch Phys Med Rehabil. 1980;61:64-7.
21. Folland JP, Willians AG. The adaptation to strength training: Morphological and neurological contributions to increased strength. Sports Med. 2007;37:145-68.

Texto: Rogério Bulhões Corvino; Fabrizio Caputo; Anderson Castelo de Oliveira; Camila Coelho Greco; Benedito Sérgio Denadai

Nenhum comentário:

Postar um comentário