20 abril, 2011

O FIM DA FILOSOFIA AERÓBIA ...

Por muito tempo o médico David Cooper e seus seguidores cultivaram um paradigma de que as atividades aeróbias seriam a principal opção para manutenção de uma vida saudável, porém um raciocínio mais elaborado aliado às novas descobertas científicas demonstram que esta concepção é inadmissível. No entanto a idéia foi criada e defendida com mais paixão do que raciocínio, esquecendo preocupações sociais, criando a chama "filosofia aeróbia", que apesar de seu uso antigo e freqüente trouxe poucos benefícios para a humanidade.Este texto é uma adaptação de um artigo de Ken Hutchins publicado em 1995. O autor, crítico ferrenho e radical de qualquer atividade aeróbia, publicou diversos trabalhos condenando esta prática, chocando-se diretamente com personagens como Dave Carpenter e Michaell Pollock, pupilo de David Cooper, ex- presidente do American College of Sports and Medicine e autor de diversos livros e artigos, a maior parte do trabalho deles girando em torno de atividades aeróbias, consumo de oxigênio...

Ao publicar um trabalho condenando as atividades aeróbias e atacando os principais divulgadores desta idéia, Hutchins foi avisado por seu colega Ellington Darden que esperasse por fortes respostas dos defensores da "filosofia aeróbia". Porém tais respostas nunca vieram, simplesmente porque não há como negar que toda a base desta filosofia foi construída sobre premissas falsas e linhas de raciocínio simplistas e equivocadas.

Algum tempo depois, Darden encontrou Pollock em uma conferência médica, onde conversaram sobre os textos de Hutchins. Segue uma parafrase do diálogo (ao final do texto original, Hutchins desafia Pollock a confirmar publicamente suas afirmações) o qual achei interessante publicar por mostrar de forma interessante um pouco dos bastidores do mundo dos exercícios:

(lembrando que Pollock era um dos braços direitos de Cooper)

Pollock: Ell, eu fiquei muito ofendido com o que seu colega de Orlando falou sobre meu amigo, Ken Cooper, em sua publicação.

Darden: O que foi que te chateou Mike?

Pollock: Hutchins apenas devaneou, e não chegou a nenhuma conclusão.

Darden: Convenhamos Mike! Se você esta chateado, deveria conseguir identificar com o que descorda nos escritos de Hutchins.

Pollock: OK. Hutchins acusou Cooper de promover os exercícios aeróbios através seu evangelhismo cristão, ao invés de ciência.

Darden: Ele (Cooper) fez isso?

Pollock: Sim... Eu tenho que admitir que a fé de Cooper sobrepõe-se aos seus métodos científicos.

Darden: Mike, eu repreendi Ken por usar uma linguagem generalista, mas concordo com ele nos pontos científicos. Por exemplo, nós dois discordamos que os testes de capacidade máxima de oxigênio sejam válidos.

Pollock: Você está certo Ell. Teste de capacidade máxima de oxigênio não prova nada. Qualquer resultado variavel deste teste é quase uma aberração genética

Darden: Além disso, nós também acreditamos que toda atividade aeróbia e o interesse promovido pela industria do fitness desde os anos 60 não levou a nenhum tipo de benefício cardiovascular a longo prazo. Pelo contrário, causou uma epidemia de lesões na coluna e articulações. O que você tem a dizer quanto a isso?

Pollock: Eu concordo.

Darden: Então Mike, o que incomodou tanto no trabalho do Ken.

Pollock: Eu só acho que Hutchins veio com um tom muito inflamado.Você sabe, Arthur Jones teria muito mais seguidores hoje se ele não tivesse alienado as pessoas no início da Nautilus.

Darden: Então Mike, você quer que eu acredite que se Dave Carpenter não tivesse ficado tão enfurecido a ponto de colocar o artigo de Ken sob o seu nariz e dizer "aqui, é melhor ler o que Hutchins está dizendo sobre você na página 10", você o teria lido?

Pollock: Provavelmente não.

Darden: Mike, eu quero que você faça um favor para mim. Quero que volte, releia o que Hutchins escreveu e destaque os pontos científicos com os quais você discorda. Eu gostaria de saber quais são eles.

Pollock: Ell, eu não tenho tempo de fazê-lo.

Texto: Paulo Gentil
Fonte: GEASE

Nenhum comentário:

Postar um comentário