08 abril, 2011

APLICAÇÃO LOCALIZADA DE ENZIMAS, NÃO SE DEIXE ENGANAR ...

Novamente aparece uma promessa para acabar com a gordura localizada. Desta vez ocorreu uma intensa propaganda sobre outra substância "mágica", a Fostatidilcolina (Lipostabil). Antes de tudo, é preciso dizer que dificilmente será possível encontrar uma pesquisa séria direcionada ao uso estético desta ou de qualquer outra substância, principalmente porque a comunidade científica deve (ou deveria) se preocupar com problemas que realmente põem a risco a humanidade e são relevantes para a melhora da vida na Terra.A Fosfatidilcolina é uma lipoproteína encontrada em abundância nas membranas celulares, sua concentração e composição parecem influir diretamente na integridade e funcionamento destas membranas, principalmente no transporte através delas. Supõe-se que o uso deste fosfolipídio aumente a solubilidade do colesterol, trazendo benefícios como alterar a composição de depósitos de gordura e inibir a agregação plaquetária, o que diminuiria os riscos de doenças cardiovasculares. Terapeuticamente ela tem sido usada em distúrbios mentais, doenças cardiovasculares e hepáticas induzidas por medicamentos, álcool, poluição, viroses e outras toxinas.

Fígado

A exposição das membranas celulares a substâncias tóxicas pode causar danos às células hepáticas, levando a desequilíbrios na homeostase e posteriormente à morte destas células, o álcool, por exemplo, pode destruir a membrana mitocondrial, prejudicando o metabolismo de gorduras (LIEBER et al, 1994; LIEBER et al, 1996). Nestes casos o lipostabil pode ajudar a membrana a se regenerar.

Nos casos de danos ao fígado a fosfatidilcolina foi pesquisada em:

- Ingestão abusiva de álcool: há vários relatos de sucesso, tanto com o uso oral (PANOZ et al, 1990; SCHULLER PEREZ et al, 1985; KNUECHEL 1979) quanto intravenoso (BUCHMAN et al, 1992).

- Na recuperação hepática após danos causados por vírus, como o da hepatite (TSYRKUNOV, 1992; FRIEDMAN et al, 1996; MUETING et al, 1972; HIRAYAMA et al, 1978; YANO et al, 1978; KOSINA et al, 1981; JENKINS et al, 1982; VISCO et al, 1985; HANTAK et al, 1990).

- Também há relatos em pacientes que tiveram problemas relacionados ao tratamento da tuberculose e foram ajudados pela fosfatidilcolina tanto pela via oral (MARPAUNG et al, 1988) quanto intravenosa (KUNTZ et al, 1978).

- Outras doenças (KUNTZ et al, 1965; ESSLINGER et al, 1966; KLEMM, 1964).

Cérebro

Este fosfolipídio é também fornecedor da colina, que por sua vez é essencial na formação da acetilcolina, um importante neurotransmissor envolvido na memória. Nesta área pode-se destacar os estudos dos orientais FURUSHIRO et al (1997) e CHUNG et al (1995) onde o uso de fosfatidilcolina melhorou a memória em animais.

Lipídeos

A colina é também necessária ao metabolismo de gordura, sendo que a ingestão de fosfatidilcolina se mostrou eficiente no tratamento de doenças cardiovasculares e redução dos níveis de colesterol (BIALECKA, 1997; BROOK et al, 1986; MEL'CHINSKAIA et al, 2000; ZEMAN et al, 1995), removendo-o dos tecidos e evitando a agregação de plaquetas. Porém, há controvérsias sobre estes resultados, KNUIMAN et al afirmaram em 1989 que os benefícios encontrados nestes estudos são artifícios causados pelo design experimental e a maneira de análises de dados, sendo mediados por outras mudanças na dieta ou devido ao ácido linoleico. Outro estudo desanimador foi o de SIMONSSON et al (1982), onde dietas ricas em fosfatidilcolina não alteraram positivamente os níveis plasmáticos de lipoproteínas.

Quanto ao acúmulo de gordura só sei de um estudo feito em animais por TAKAHASHI et al, (1982), onde se relacionou a deficiência de fosfatidilcolina com distúrbios na liberação de lipídeos pelas células. Neste estudo japonês, os ratos recebiam ou dietas ricas ou pobres em colina durante duas semanas, quando a quantidade de colina era baixa havia distúrbios na liberação de gordura das células do intestino para o sistema linfático. A suplementação oral de fosfatidilcolina rapidamente corrigiu esta disfunção, confirmando a colina como um fator extremamente importante na absorção de gorduras através da membrana celular.

Considerações finais

A membrana da célula é responsável por controlar o fluxo de substâncias do meio extra para o intracelular e vice-versa, envolvendo também a receptividade à insulina e o equilíbrio hídrico e salino. Pense bem, se algum fator exógeno causa desequilíbrio nesta membrana, qual será a reação a longo prazo? É perigoso e ingenuamente otimista alterar as propriedades da membrana celular e pensar que o único efeito seria a perda de gordura por algumas células. Como não conheço nenhum estudo longitudinal onde se acompanhou o uso subcutâneo prolongado de Lipotsabil com fins estéticos, eu não recomendaria que você se arriscasse tão cedo. Na minha opinião faltam duas informações vitais:

1. Se a redução de medidas é fruto da perda de gordura, de desidratação ou outro meio? Lembre-se que gorduras não são as únicas substâncias a passar através das membranas celulares, água e minerais também são transportados continuamente. Existem, inclusive, patologias geradas por altas taxas do fosfolipídeo em questão, onde os sintomas são desequilíbrios nas taxas de potássio e desidratação (CLARK et al, 1993).

2. Como seu corpo vai responder a esta prática? Vai ficar com a membrana alterada para sempre (o que poderia ser extremamente nocivo ao equilíbrio dinâmico do seu organismo)? Ou vai supercompensar (retornando com sobras às medidas antigas)?

Ah! Tem uma pergunta que me intriga sobremaneira: os estudos que encontrei sempre se referem ao uso oral ou intravenoso da fosfatidilcolina, então quem foi o "gênio" que inventou a injeção subcutânea desta substância com fins estéticos?

Referências bibliográficas

ALBERTS B, BRAY D, LEWIS L, et al. Molecular Biology of The Cell. New York:Garland Publishing;1989.
BIALECKA M, "The effect of bioflavonoids and lecithin on the course of experimental atherosclerosis in rabbits" Ann Acad Med Stetin, 1997; 43: 41-56
BROOK J, et al., "Dietary soya lecithin decreases plasma triglyceride levels and inhibits collagen- and ADP-induced platelet aggregation" Biochem Med Metab Biol, 1986 Feb; 35(1): 31-9
BUCHMAN AL, DUBIN M, JENDEN D, ET AL. Lecithin increases plasma free choline and decreases hepatic steatosis in long-term total parenteral nutrition patients. Gastroenterology 1992;102:1363-1370.
CHUNG SY, MORIYAMA T, UEZU E, UEZU K, HIRATA R, YOHENA N, MASUDA Y, KOKUBU T, YAMAMOTO S Administration of phosphatidylcholine increases brain acetylcholine concentration and improves memory in mice with dementia. J Nutr 1995 Jun;125(6):1484-9
CLARK MR, SHOHET SB, GOTTFRIED EL Hereditary hemolytic disease with increased red blood cell phosphatidylcholine and dehydration: one, two, or many disorders? Am J Hematol 1993 Jan;42(1):25-30
ESSLINGER F. Death cap mushroom poisoning: report of clinical experience. Med Welt 1966;19:1057-1063.
FRIEDMAN LS, MARTIN P, MUNOZ SJ. Liver function tests and the objective evaluation of the patient with liver disease. In: Zakim D, Boyer TD, eds. Hepatology: A Textbook of Liver Disease. Philadelphia:WB Saunders;1996:791-833.
FURUSHIRO M., et al., "Effects of oral administration of soybean lecithin transphosphatidylated phosphatidylserine on impaired learning of passive avoidance in mice" Jpn J Pharmacol, 1997 Dec; 75(4): 447-50
HANTAK I, BOCA M, MICULECKY M, et al. Essential phospholipids in the treatment of chronic infection with the hepatitis B virus. Vnitrni Lekarstvi 1990;36:1164-1171.
HIRAYAMA C, OKAMURA M, TANIKAWA K, et al. The clinical effect of polyene phosphatidylcholine in chronic hepatitis in a double-blind test. Rinsho to kenkyu 1978;55:194-198.
HISANAGA M, UTSUMI S, MIYAMOTO S, et al. Abnormality of liver function in patients treated with antiepileptic drug and a trial of polyene phosphatidylcholine treatment for these patients. Folia Psychiatr Neurol Japonica 1980;34:318-319.
JENKINS PJ, PORTMANN BP, EDDLESTON ALWF, et al. Use of polyunsaturated phosphatidylcholine in HBsAg negative chronic active hepatitis: results of prospective double-blind controlled trial. Liver 1982;2:77-81.
KLEMM J, PABST HW. Untersuchungen uber den Einfluss therapeutischer Teilkoerper-bestrahlungen auf die Leberfunktion und die Schutzwirkung essentieller Phospholipide. Strahlentherapie 1964;123:438-450. [In German, summary in English]
KNUECHEL F. Double blind study in patients with alcohol-toxic fatty liver. Med Welt 1979;30:411-416.
KNUIMAN JT, BEYNEN AC, KATAN MB Lecithin intake and serum cholesterol. Am J Clin Nutr 1989 Feb;49(2):266-8
KOSINA F, BUDKA K, KOLOUCH Z, et al. Essential cholinephospholipids in the treatment of viral hepatitis. Cas Lek Ces 1981;120:957-960.
KUNTZ E, NEUMANN-MANGOLD P. Acute peroral trichloroethylene poisoning. Med Welt 1965;16:2872-2874.
KUNTZ HD, RAUSCH V, BAMMER E. Hepatotoxicity of rifampicin and the effect thereon of "essential" choline phospholipids. Med Welt 1978;29:452-454.
LIEBER CS. alcohol and the liver:1994 update. Gastroenterology 1994;106:1085-1105.
LIEBER CS. Alcohol-induced liver disease. In: Maddrey WC, ed. Gastroenterology and Hepatology: The Comprehensive Visual Reference. Philadelphia: Current Medicine; 1996:9.1-9.21.
MARPAUNG B, TARIGAN P, ZEIN LH, ET AL. Tuberkulostatische KombinationsÑtherapie aus INH, RMP und EMB. Therapiewoche 1988;38:734-740.
MEL'CHINSKAIA EN, GROMNATSKII NI, KIRICHENKO LL [Hypolipidemic effects of alisat and lipostabil in patients with diabetes mellitus]. Ter Arkh 2000;72(8):57-8 [Artigo em russo, com resumo em ingles]
MUETING D, DOHN P, REIKOWSKI J. Effect of high doses of essential phospholipids administered intravenously and perorally on metabolism of albumin and fats and on enzymatic activity of chronically ill liver patients. Verhandlungen der Deutsche Gesselchaft fur Innere Medizin 1972;17:1389-1392.
PANOZ MZ, POLSON R, JOHNSON R, ET AL. Activity of polyunsaturated phosphatidylcholine in HBsAg negative (autoimmune) chronic active hepatitis and in acute alcoholic hepatitis. In: Gundermann K, Schumacher R, eds. 50th Anniversary of Phospholipid Research (EPL) International Symposium. Bingen/Rhein: wbn-Verlag;1990.
SCHULLER PEREZ A, SAN MARTIN F.G. Controlled study using multiply-unsaturated phosphatidylcholine in comparison with placebo in the case of alcoholic liver steatosis. Med Welt 1985;72:517-521.
SIMONSSON P, NILSSON A, AKESSON B Postprandial effects of dietary phosphatidylcholine on plasma lipoproteins in man. Am J Clin Nutr 1982 Jan;35(1):36-41
SORRENTINO F, DIENE G, CORVAJA E, et al. Use of polyunsaturated phosphatidylcholine (EPL) in association with vitamin B complex in liver therapy. La Clinica Terapeutica 1982;102:163-183.
TAKAHASHI Y, et al., "Effects of choline deficiency and phosphatidylcholine on fat absorption in rats" J Nutr Sci Vitaminol, 1982 Apr; 28(2): 139-47
TSYRKUNOV VM [Lipostabil in the treatment of viral hepatitis B in subjects who abuse alcohol]. Klin Med (Mosk) 1992 Jan;70(1):75-8 [Artigo em russo, com resumo em inglês]
VISCO G. Polyunsaturated phosphatidylcholine associated with vitamin B complex in the treatment of acute viral hepatitis B. La Clinica Terapeutica 1985;114:183-188.
WALLNOEFER H, HANUSCH M. "Essential" phospholipids in the treatment of hepatic disease. Med Monatsschrift 1973;27:131-136.
YANO M, KOGA M, SHIRAHAMA S, et al. Blind assessment of liver biopsy findings in chronic hepatitis: drug efficacy trial of polyene phosphatidylcholine. Shindan to chiryo 1978;9:1783-1789.
ZEMAN M, ZAK A, STOLBA P [The effect of polyene phosphatidylcholine administration on lipid metabolism and glucose tolerance in patients with hyperlipoproteinemia IIB]. Sb Lek 1995;96(1):43-8 [artigo em tcheco, resumo em inglês].

Texto: Paulo Gentil (Lipostabil/Fosfatidilcolina)
Fonte: GEASE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seus comentários, opiniões ou sugestões, elas são importantes para nós, no entanto estarão sujeitas a apreciação do moderador antes de serem exibidas. Qualquer dúvida ou questionamento referente ao tema da postagem deve ser encaminhada através da pagina - FALE CONOSCO, obrigado ...
A copia e publicação dos textos podem ser feitas, desde que solicitadas, respeitando os créditos devitos ...