08 julho, 2010

CARNE DE PORCO, comer ou não comer ...

Pesquisadoras da Unicamp mostram que, dependendo do corte da carne suína, os teores de gordura são baixos, de acordo com a classificação do Food Advisory Commitee da Inglaterra.A carne de porco é um dos alimentos mais consumidos em todo o mundo. Ela é rica em proteína e em vitamina B1, porém pobre em carboidratos. Apesar de conter baixo nível energético (cerca de 147 Kcal / 100g de carne de porco), ela apresenta alto teor de colesterol e, por isso, seu consumo deve ser cauteloso. Nesse sentido, Neura Bragagnolo e Délia Rodriguez, ambas da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, resolveram verificar os teores de lipídios totais, de colesterol e de ácidos graxos de diversos cortes de carne suína. Os lipídios são substâncias, de origem biológica, importantíssimas para o metabolismo celular. Podem ser representados, dentre outros, pelos óleos, gorduras e esteróides. Alguns lipídios possuem ácidos graxos em sua composição. Estes são responsáveis, muitas vezes, pelo aumento dos níveis de colesterol, substância que desempenha funções importantes no organismo humano, mas que, em excesso, pode causar uma série de problemas.
Segundo as pesquisadoras, em artigo publicado na edição de jan./abr. de 2002 da revista Ciência e Tecnologia de Alimentos, "uma análise integrada de lipídios totais, colesterol e composição de ácidos graxos foi realizada em 4 cortes de carne suína sendo 8 amostras de lombo, 7 de pernil, 4 de paleta e 4 de toucinho, adquiridas em diversos açougues da cidade de Campinas, SP, nos anos de 1994 e 1995". Também foram comparados os teores de amostras com e sem gordura externa.
De acordo com Neura e Délia, o lombo apresentou os menores teores de colesterol (42mg/100g) e de lipídios totais (3g/100g) enquanto que o toucinho apresentou os maiores - colesterol: 53mg/100g e lipídios: 83g/100g. No que diz respeito aos lipídios, não houve diferença entre o pernil e a paleta (5g/100g). Além disso, verificou-se que, em relação ao colesterol, ambos se assemelham ao toucinho. Com relação aos ácidos graxos, foram encontrados 36, na carne de porco, o que representa algo em torno de 95% dos ácidos graxos existentes. Os cortes que têm mais gordura apresentaram valores maiores de ácidos graxos.
As pesquisadoras observaram, ainda, que "não houve diferença significativa no teor de colesterol em amostras de lombo com e sem gordura externa. Já o conteúdo total de lipídios, no lombo com gordura externa, como era esperado, foi significativamente maior do que no lombo sem gordura externa".
Em termos nutricionais, os cortes de carne de porco (lombo, pernil e paleta) sem gordura externa apresentaram, segundo Neura e Delia, de 3 a 5% de gordura por100 g, o que os faz serem considerados alimentos com baixo teor de gordura. Logo, eles podem ser incluídos tranqüilamente na dieta diária desde que alternados com outros alimentos.
Fonte: Agência Notisa

Um comentário: